Em Re-construção Constante

Não adianta parar, o caminho não termina porque você cansou. Ele termina quando você chega.







quarta-feira, abril 05, 2006

A ÚLTIMA DANÇA DE NATARAJA



Daqui eu observo ela se aproximando. Nada posso fazer ainda.
Ela arrasta uma corrente enorme que lhe atrasa a viagem.
Ela anda às cegas, mas ainda anda.
Ela dança a dança dos sete véus.
Um a um eles devem cair.
O que eu vejo não é o que ela vê, mas eu sinto o que ela sente
Ela me é de várias maneiras
E por fim deve me reencontrar

Não poso avisar a ela ela quando o
espectro salta das sombras.
Como ela me dói ao ter a lança cravada nas entranhas
Eu cuspo sangue, ela segue viagem

2 comentários:

kaliandra disse...

ÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ...
só um gritinho primal. Podem me internar agora.

Yazelovit disse...

sim,
é isto mesmo,
o ensaio de sua morte....