Em Re-construção Constante

Não adianta parar, o caminho não termina porque você cansou. Ele termina quando você chega.







domingo, maio 27, 2012

Eterno Quarto Verde



E então eu me dei conta que eu nunca sai do quarto verde. Que ainda estou viva. Que ainda estou dormente.O quarto verde me persegue porque nunca resolvi o que fui fazer por lá. Os dias continuam rodando. Eu ainda me iludo achando que sempre sou eu. Eu ainda quero acreditar que todo dia é hoje e que sempre sou eu. Eu é um fantasma que me persegue. A que devia ser morta me persegue e ainda se impõe.

Sei que é uma tarefa grande demais para o tempo de uma vida, mas não existe tempo suficiente. Só agora. E eu tenho que me virar com isso. E o que me consome não é o fogo interior, é a frustração, é a inveja, é o desânimo. Mas o pior é ainda ter esperança. A última que morre. Esperança em tudo o que não importa, mas que se impõe tão essencial a esta vida.

O poço mais fundo, a torre mais alta. O que importa? Sempre será o quarto verde do qual ainda não saí.

3 comentários:

Sibilis disse...

Já pensou em observar esse desejo exasperante de libertação, como testemunha de todo o processo que se dá desde o pensamento negativo, passando pela emoção negativa (isso tudo na resistência interna de algo que se passa(ou)), até a pergunta: que porra que eu tô fazendo errado?!
Observe a pergunta, de onde vem, quem pergunta, o que quer. Libertação pra quem? Quem pode se libertar? O desejo de libertação é o dos mais terríveis. Então esqueça tudo isso e dance! Feche os olhos e dance!

ricardo alves disse...

nossa Universo Liquido! que poderosas palavras,vindas de alguém com intensidade...

KALI, desesperadamente humana. disse...

Sibilis, fechar os olhos e dançar é uma boa opção que não pratico há um tempo. Obrigada pela lembrança.

Obrigada, Ricardo. Queria, no entanto, que meus atos fossem mais intensos que as palavras.