Em Re-construção Constante

Não adianta parar, o caminho não termina porque você cansou. Ele termina quando você chega.







terça-feira, novembro 26, 2013

MENSAGEM DE FIM DE ANO ( OU SERIA FIM DO MUNDO?)


Começa a energia confusa do fim de ano de novo, fazendo com que eu me lembre que ainda estou presa na bolha do tempo. Eu continuo aqui, tentando. Porque eu sempre tento, mesmo que o meu intento seja fraco e vacilante. Eu não sei se é teimosia ou hábito. A endura já virou uma segunda natureza. E e isso é mau, mau, mau. Eu já nem presto muita atenção. Como espreitar assim?

Às vezes me pergunto se não é tudo apenas uma mistura de conceitos que coleciono pela vida a fora. Olho para trás e me parecem dezenas de vidas colecionadas, mas ao mesmo tempo parece que nada passou de verdade. São poucos os que ainda reconheço ao longo do caminho, ou seria Caminho?

 A coruja amiga pia lá fora. Outra responde ao longe. Não sou muito diferente. Eu pio, outro responde ao longe, mas não existe um clã para mim. Não existe a ilusão de companheirismo, apesar de haver valiosos amigos distantes que em certos momentos, no meio da dormência do dia a dia, passam com suas bolhas próximas a minha, e podemos acenar enquanto rumamos em direção aos nossos naufrágios, nossas ilhas. A única certeza é que o mar é o mesmo, a água salgada que eu provo é a mesma em que eles se banham, e assim seguimos com a certeza - não esperança - de que um dia estaremos todos reunidos, mas aí, já não seremos nós.

8 comentários:

Renan disse...

Me vejo aí. Seu cansaço me é familiar. E também é a confusão de conceitos embaralhados.. como uma janela empoeirada..
Como um amigo meu diria: teu medo te joga à busca de algo além do que você já é... e te enreda em um labirinto de "caminhos".. portanto: pare de procurar!
[tambem falo comigo mesmo]
Olá, sombra...

ricardo alves / são paulo,brasil disse...

não sei se é pra pensar ou constatar...

KALI, desesperadamente humana. disse...

Ricardo, isso fica ao gosto do freguês.
Renan, como fazer para parar de procurar? Eu acho que só achando, e eu e Bono continuamos sem encontrar o que estamos procurando.

Sibilis disse...

KALI, voce sabe que parar de procurar não é um fazer, não é uma tarefa. Tampouco é encontrar. A linguagem é desencaminhadora, sempre. Procurar implica em pensar que há algo além do que já está aqui - o que é bem claro que é uma ilusão, não? POrtanto tenho que suportar a verdade de que continuo procurando algum momento-chave em que o tempo cessa, quando não há mais o que procurar... Achar, procurar... acho que fica a gosto do freguês...
Pra mim existe um cinismo de uma sutileza inacreditável por parte do ego, que quer ganhar tempo de existência, mesmo sabendo que seu tempo já acabou!!!!

Renan disse...

KALI, voce sabe que parar de procurar não é um fazer, não é uma tarefa. Tampouco é encontrar. A linguagem é desencaminhadora, sempre. Procurar implica em pensar que há algo além do que já está aqui - o que é bem claro que é uma ilusão, não? POrtanto tenho que suportar a verdade de que continuo procurando algum momento-chave em que o tempo cessa, quando não há mais o que procurar... Achar, procurar... acho que fica a gosto do freguês...
Pra mim existe um cinismo de uma sutileza inacreditável por parte do ego, que quer ganhar tempo de existência, mesmo sabendo que seu tempo já acabou!!!!

Renan disse...

KALI, voce sabe que parar de procurar não é um fazer, não é uma tarefa. Tampouco é encontrar. A linguagem é desencaminhadora, sempre. Procurar implica em pensar que há algo além do que já está aqui - o que é bem claro que é uma ilusão, não? POrtanto tenho que suportar a verdade de que continuo procurando algum momento-chave em que o tempo cessa, quando não há mais o que procurar... Achar, procurar... acho que fica a gosto do freguês...
Pra mim existe um cinismo de uma sutileza inacreditável por parte do ego, que quer ganhar tempo de existência, mesmo sabendo que seu tempo já acabou!!!!

Renan disse...

KALI, voce sabe que parar de procurar não é um fazer, não é uma tarefa. Tampouco é encontrar. A linguagem é desencaminhadora, sempre. Procurar implica em pensar que há algo além do que já está aqui - o que é bem claro que é uma ilusão, não? POrtanto tenho que suportar a verdade de que continuo procurando algum momento-chave em que o tempo cessa, quando não há mais o que procurar... Achar, procurar... acho que fica a gosto do freguês...
Pra mim existe um cinismo de uma sutileza inacreditável por parte do ego, que quer ganhar tempo de existência, mesmo sabendo que seu tempo já acabou!!!!

Renan disse...

KALI, voce sabe que parar de procurar não é um fazer, não é uma tarefa. Tampouco é encontrar. A linguagem é desencaminhadora, sempre. Procurar implica em pensar que há algo além do que já está aqui - o que é bem claro que é uma ilusão, não? POrtanto tenho que suportar a verdade de que continuo procurando algum momento-chave em que o tempo cessa, quando não há mais o que procurar... Achar, procurar... acho que fica a gosto do freguês...
Pra mim existe um cinismo de uma sutileza inacreditável por parte do ego, que quer ganhar tempo de existência, mesmo sabendo que seu tempo já acabou!!!!