Em Re-construção Constante

Não adianta parar, o caminho não termina porque você cansou. Ele termina quando você chega.







terça-feira, maio 30, 2006

Dançando




"...Eu estava sentado na praia, ao cair de uma tarde de verão, e observava o movimento das ondas, sentindo ao mesmo tempo o ritmo da respiração. Nesse momento, de súbito, apercebi-me intensamente do ambiente que me cercava: este se me afigurava como se participasse de uma gigantesca dança cósmica. Como físico, eu sabia que a areia, as rochas, a água e o ar a meu redor eram feitos de moléculas e átomos em vibração, e que tais moléculas e átomos, por seu turno, consistiam em partículas que interagiam entre si por meio da criação e da destruição de outras partículas. Sabia do mesmo modo que a atmosfera da Terra era permanentemente bombardeada por chuvas de 'raios cósmicos', partículas de alta energia que sofriam múltiplas colisões à medida que penetravam na atmosfera. Tudo isso me era familiar em razão de minha pesquisa em física de alta energia; até aquele momento, porém, tudo isso me chegara apenas por intermédio de gráficos, diagramas e teorias matemáticas. Sentado na praia, senti que minhas experiências anteriores adquiriam vida. Assim, 'vi' cascatas de energia cósmica, provenientes do espaço exterior, cascatas em que, com pulsações rítmicas, partículas eram criadas e destruídas. 'Vi' os átomos dos elementos - bem como aqueles pertencentes à meu próprio corpo- participarem dessa dança cósmica de energia. Senti o seu ritmo e "ouvi" o seu som. Nesse momento compreendi que se tratava da Dança de Shiva, o deus dos dançarinos, adorado pelos hindus."

(O Tao da Física, Fritjof Capra)

Ah! se fosse só isso...
Mas nunca é "só" isso, sempre é algo mais, algo que está além, algo que só podemos vislumbrar. Por enquanto, nada de "ver".

Só sei que não posso parar de dançar agora. É algo que me mantém quase acordada, mesmo que perto de perder os sentidos.

Meu corpo está melhorando. A alergia do mundo diminuiu. Não sei se isso é bom ou ruim, o que sei é que não posso relaxar só porque as dores diminuiram.

Quando as dores diminuem, fica mais perigoso cair no sono...

Um comentário:

Yazelovit disse...

com o tempo, acostuma-se com o despertador... na verdade, passa-se a dormir melhor com o seu barulho...