Em Re-construção Constante

Não adianta parar, o caminho não termina porque você cansou. Ele termina quando você chega.







sexta-feira, julho 24, 2009

Mein Herz Brennt


Eu estava sentada, pensando, pensando, tentando alguma luz, uma vela, uma lâmpada, quem sabe até a luz do sol. Eu estava espreitando, vigilante, mas meio dormindo, meio mentindo, meio fingindo, meio , meio, meio. Uma metada, incompleta, sozinha, meio vazia, meio cheia, meio sonhando.

Todos se foram, e eu vou ficar, apagar a luz, fechar a porta. Isso faz de mim a morte, a morta, a morta-viva, o zumbi.

Não tem mais matilha, alcatéia, círculo.

Não há o que lamentar.

Eu circulo, inquieta, vagando, me consumindo, me consumindo.

Decifra-me ou te devoro.
Decifra-te ou te devoro.

No fim só resta a auto-combustão, o fogo interior.

Mein Herz brennt, mein Herz brennt, mein Herz brennt.

Meu coração queima, pulsa, arde, retorce, e por fim adormece, cansado.

E eu repito meu mantra, minha canção, eu canto, eu uivo, inquieta, me consumindo, queimando, queimando a vela que nunca se acaba. Mas a luz é pouca, uma luzinha, eu vejo o imediato, não o adiante.

Eu me canso, minha energia se vai, eu durmo, eu acordo, eu tento fazer sentido, eu me canso, eu me sento, eu levanto, nada passa, só fantasmas, como eu, fantasmas.