Em Re-construção Constante

Não adianta parar, o caminho não termina porque você cansou. Ele termina quando você chega.







sábado, julho 31, 2010



Dê-me um sinal de vida.
Depois de um longo sono, inquieto, sem repouso.
Já percebeu que neste estado de sonambulismo o repouso não é possível?
Mas não queremos repousar. Ainda não.
Ainda mais agora, que aprendi a correr descalça.
Mais um pulo e quem sabe aprendo a voar?
Ainda que seja para me quebrar no fundo do vale.

Dê-me um sinal de vida.
Um sinal de fumaça, um pombo correio.
Acene sua mão a distância, por entre as brumas, por entre os carros e nuvens do dia.
Eu preciso saber quem ainda precisa respirar.
E quem se esqueceu? E quem se salvou?
Separados de nós por um tênue véu.
ele nos vê, eu não vejo.
Porque ainda estou aqui.

Quanto de mim ainda resta? Eu preciso saber o falta matar.
E eu não sabia ser tão resistente. Ao tempo, a chuva, a solidão.
Eu não me extinguo. Eu persevero...
E isto não é bom.
Os velhos hábitos, velhos caminhos,
velhos truques que me impedem de passar.

Eu não sabia ser tão fraca.

Dê-me um sinal, ou não.
Não importa, e por isso me dê.

2 comentários:

João do Brasil disse...

Quem tem algo para dar?
Eu te digo: ninguém.

Seus velhos hábitos te impedem de passar?
Pois eu te digo: você não tem aonde ir.

Você precisa saber quem ainda precisa respirar?
Eu preciso.

Mas sim, eu te vejo e você não em vê.
Mas eu te digo: esse véu é criação sua, não minha.

Mas você ainda pesna que eu existo, em algum canto, com alguma forma.
Novamente te digo: você não pode se matar.

Preste atenção, pelo menos desta vez: você não pode se matar!

Afinal, e isto é simples, quando foi que você deu nascimento a si mesma para que possa se matar?

KALI, desesperadamente humana. disse...

O trabalho de parto jah dura alguns anos. Acho que vou fazer uma cezarea.