Em Re-construção Constante

Não adianta parar, o caminho não termina porque você cansou. Ele termina quando você chega.







sexta-feira, setembro 07, 2012

Um Conto Matricial - Rapunzel


Quando Rapunzel acordou, descobriu que seus cabelos haviam crescido metros. Tão longos, tão fortes. Rapunzel os trançou e pensou que poderia usá-los para fugir da torre. Olhou para baixo e pensou como poderia fazê-los escada.

Como descerei pelos meus próprios cabelos?

Não cogitou Rapunzel em cortá-los e usá-los como cordas? Por acaso pensava ela que os cabelos e ela eram uma parte indivisível. Meus cabelos, dizia, meus lindos cabelos. Eles continuavam a crescer. Começavam já a devorar suas forças, como um Sansão ao contrário, tão pesados, tão longos, belos e fortes, enquanto Rapunzel se tornava mais fraca. Ai, se eu tivesse asas! Suspirava. Mas que asas seriam capaz de sustentá-la com tamanho fardo?

E assim está Rapunzel na torre até hoje, sem ninguém para salvá-la. E quem pode salvá-la de si mesma? Cada dia mais fraca, cada dia mais magra, enquanto seus cabelos estão viçosos, e fortes, e pesados. E ela sem percebe que sem eles poderia flutuar.

2 comentários:

ricardo alves / são paulo,brasil disse...

este é um texto cheio de introspecção e estudo do ser humano!

KALI, desesperadamente humana. disse...

Estudo de si mesmo! De que vale entender os outros sem saber nada de si?