Em Re-construção Constante

Não adianta parar, o caminho não termina porque você cansou. Ele termina quando você chega.







segunda-feira, maio 26, 2014

CAMINHANTE


O interessante é perceber, depois de todos esses anos, é que a sensação de não pertencimento, de estranhamento e desconforto é o que me fez sobreviver e nadar ao invés de submergir e ser engolida. Continuo nadando e não cheguei à margem, às vezes eu boio. Mas eu entendo e aceito a minha condição de dissidente. Caminhante desse mundo sem pertencer a ele.

Um comentário:

Dinarte araujo neto disse...

Com todo o imenso respeito que alguém que cultiva a solidão merece: ninguém é uma ilha, escrevia John Done...existem aqueles que cultivaram a si mesmo como ilhas, e cortaram as pontes de intercâmbio. Gemem solitárias nos recantos da utopia que cultivam.